Conselho do Banese aprova pagamento de JCP

  •  
Conselho do Banese aprova pagamento de JCP Foto: Divulgação Conselho do Banese aprova pagamento de JCP

O Conselho de Administração do Banese, aprovou em 28 de junho de 2019, “ad referendum” da Assembleia Geral Ordinária de 2020, a proposta da Diretoria da Instituição para pagamento de Juros Sobre Capital Próprio – JSCP relativo ao primeiro semestre de 2019, no montante de R$ 11.400.000,00 (onze milhões e quatrocentos mil reais), conforme previsto nos artigos 17 e 44 do Estatuto Social do Banese e no parágrafo 7º do artigo 9º da Lei nº 9.249/1995.

Os Juros Sobre Capital Próprio serão pagos de maneira individualizada no dia 15 de julho de 2019, da seguinte forma:

1. Os acionistas correntistas do Banese terão seus créditos disponíveis na data do pagamento, de acordo com a sua conta corrente e domicílio fornecido ao Banese;

2. Os acionistas não correntistas receberão o pagamento dos Juros Sobre Capital Próprio em qualquer agência da rede BANESE mediante apresentação de documento de identificação e CPF ou CNPJ.

3. Os acionistas de outros Estados receberão seus créditos via documento de crédito (DOC) ou transferência eletrônica disponível (TED), conforme informações cadastrais;

4. Os juros relativos às ações custodiadas na B3 S.A., serão pagos à referida B3 S.A., que os repassará aos acionistas titulares por intermédio das Corretoras depositantes;

5. Os Acionistas com Cadastro Desatualizado, sem o número do CPF/CNPJ ou indicação do Banco/Agência e Conta Corrente, os juros serão pagos através de aviso de crédito no momento que os interessados providenciarem a regularização de seu cadastro, pessoalmente, em uma das agências, munidos de cópia da Carteira de Identidade e Comprovante de Residência, e no caso de pessoa jurídica, cópia do Contrato Social.

O pagamento de Juros Sobre Capital Próprio relativo ao primeiro semestre de 2019 será no valor bruto de R$ 0,710309384 por ação para as ações ordinárias nominativas e R$ 0,781340322 por ação para as ações preferenciais nominativas, com retenção de 15% de imposto de renda na fonte, exceto para os acionistas comprovadamente imunes ou isentos, resultando em juros líquidos de R$ 0,603762976 por ação, para as ações ordinárias nominativas e R$ 0,664139274 para as ações preferenciais nominativas, com base na posição acionária de 03 de julho de 2019, passando as ações, a partir de 04 de julho de 2019, a serem negociadas nas Bolsas de Valores “ex” esses juros sobre o capital próprio, imputados aos valores a serem pagos aos dividendos mínimos obrigatórios.

(Redação - Investimentos e Notícias)