Fitch eleva ratings da Suzano para ‘BBB-’ / ‘AAA(bra)’

  •  
Fitch eleva ratings da Suzano para ‘BBB-’ / ‘AAA(bra)’ Foto: Divulgação Fitch eleva ratings da Suzano para ‘BBB-’ / ‘AAA(bra)’

A Fitch Ratings elevou os IDRs (Issuer Default Ratings – Ratings de Probabilidade de Inadimplência do Emissor) de longo prazo em Mmedas estrangeira e local da Suzano Papel e Celulose S.A. (Suzano) para ‘BBB-‘ (BBB menos), de 'BB+' (BB mais). Ao mesmo tempo, a Fitch elevou o rating nacional de longo prazo para ‘AAA(bra)’, de 'AA+(bra)' (AA mais (bra)). A perspectiva dos ratings corporativos é estável. 

A elevação dos ratings para grau de investimento reflete a forte geração de fluxo de caixa livre (FCF) da Suzano, que suportou a importante redução da alavancagem da companhia para 2,5 vezes no período de 12 meses encerrado em setembro de 2017. A geração de fluxo de caixa mais forte e a redução dos investimentos contribuíram para a estratégia da companhia de reduzir sua dívida. Além disso, entre dezembro de 2015 e setembro de 2017, as dívidas bruta e líquida tiveram redução de BRL2,4 bilhões e BRL3,8 bilhões, respectivamente. A elevação dos ratings incorpora, ainda, a expectativa da Fitch de que a alavancagem líquida da empresa poderá se elevar novamente caso a Suzano decida prosseguir com os investimentos em uma nova fábrica de celulose. No entanto, a alavancagem líquida não deverá exceder 3,5 vezes durante o período de construção. Os preços de celulose devem permanecer elevados até 2020 devido à forte demanda da China e à escassez de novos projetos, que poderá gerar um cenário favorável para financiar parcialmente o projeto com o fluxo de caixa próprio.

Os ratings da Suzano também incorporam a forte posição de negócios como produtora de baixo custo de celulose de mercado e sua liderança no segmento de papel para imprimir e escrever e em papel cartão no Brasil. A Suzano tem a capacidade de gerar forte fluxo de caixa durante as baixas cíclicas do preço de celulose, devido à sua forte posição no mercado e ao custo de produção no menor quartil, ao mesmo tempo em que mantém volume de produção acima de 90% de sua capacidade nominal.

A Suzano é avaliada acima do Teto País do Brasil, ‘BB+’ (BB mais), em linha com a metodologia ‘Rating NonFinancial Corporates Above the Country Ceiling Rating Criteria’. O rating considera o forte índice de cobertura do serviço da dívida em moeda estrangeira da companhia, que é apoiado pelo significativo fluxo de caixa das operações das exportações e pelo caixa e as aplicações financeiras no exterior.

(Redação - Investimentos e Notícias)